O Jantar – Herman Koch (texto por Bibbi Bokken)

O Jantar foi uma das minhas duas propostas de leitura em formato digital desse mês. Já estava querendo lê-lo a algum tempo, por ter aparecido em sugestões no Kindle após a leitura de Precisamos Falar Sobre o Keven.

Escolhi o formato digital por ser um livro pouco extenso e não muito denso, também por medo de não gostar da escrita do autor, com quem estou tendo o meu primeiro contato.

O livro narra a história dos pais de Rick, Babbete e seu marido Serge, candidato a primeiro-ministro. Também de Craire e Paul, irmão de Serge, pais de Michel. Michel e Rick fizeram algo muito errado, que os pais até agora fingiram ignorar, mas como o caso tomou proporções gigantescas eles decidem marcar um malfadado jantar, em um refinado restaurante,  para discutir o assunto.

O Jantar

A divisão dos Capítulos acompanhas a ordem dos pratos de um jantar, e assim como em um jantar, vamos recebendo a informação aos poucos, começando pelo aperitivo e culminando no terrível prato principal.

Vi muita gente reclamando dessa forma de escrita, mas eu na verdade achei genial. A forma como o enredo vai evoluindo acompanhando o jantar é viciante e reviravoltas aconteceram o tempo todo.
Muito diferente do caso de Kevin, onde a culpa dos pais era sutil e passível de interpretação, nesse caso ela é totalmente clara. O comportamento desses pais ricos, egocêntricos e principalmente condescendentes está diretamente ligado aos atos dos filhos.

O livro é narrado em primeira pessoal, por Paul. A primeira impressão é a de um homem comum, que vive cercado pelo irmão grosseiro e arrogante, mas essa impressão logo fica para trás. Paul é um home claramente violento e invejoso, que chega a tomar remédios para controlar essa perigosa personalidade.
O que mais me assusta é que, em uma cena, Paul confessa ter parado já a um tempo com os remédios e Claire admite que está mais feliz assim, que ela sentia falta do marido explosivo, agressivo e levemente psicótico, dá então para ter uma noção então de que tipo da família é essa e do que esperar de seu filho.

Preconceituosos, falsos e inescrupulosos os pais de Michel o incentivam a agir exatamente dessa forma. A concertar os erros cometendo erros ainda piores e O Jantarainda mais assustadores.

Enquanto isso do outro lado da mesa estão os pais de Rick, que ao meu ver pecarão mais em ser condescendentes e negligentes com a criação dos filhos, de forma mais semelhante aos pais de Kevin.

O livro assusta, justamente por ser tão verossímil, é fácil imaginar que realmente existem pessoas assim não mundo, capazes de coisas que para nós parecem inimagináveis. Eu adorei a escrita de Koch, e estou doida para ler seu outro romance, chamado Casa de Praia com Piscina. Outra coisa que gostei bastante foram esses títulos, tão criativos quanto as próprias sinopses.

Foi uma leitura muito tranquila e agradável, mas que exige uma certa sensibilidade do leitor, que o mesmo consiga perceber as sutilezas do autor, o que está por traz de todas aquelas descrições de pratos e histórias de viagens e de dinheiro jogado fora.

O jantar

Este texto foi enviado pela leitora Bibbi Bokken, do blog BibbiBokkens.blogspot.com.br

O texto original você pode conferir aqui: “Leitura Kindle” do mês : O Jantar – Herman Koch.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: