Sete dicas para ajudar você a editar o seu Romance

Antes de colocar seu romance no mundo, é necessário limpá-lo. E bastante, provavelmente. Erros gramaticais, ortográficos e de digitação são imperdoáveis para autores e, ainda assim, muito comuns. Todos cometem erros.

Um bom editor sempre fará melhorias, mas ele não mudará ou reescreverá a história para você. Eles podem identificar furos de enredo cruciais ou problemas de desenvolvimento de personagem, mas não podem corrigi-los.

Mesmo que você não possa pagar um editor profissional, é sempre bom ter uma outra pessoa para dar uma olhada no seu manuscrito. Mas antes de dar seu manuscrito para outra pessoa ler, você deve limpá-lo da melhor forma possível e saber que os leitores perdoarão a maioria dos erros se você contar uma história interessante. As sete dicas a seguir estão relacionadas com tendências que eu tenho observado em novos autores. Usa-os como uma lista de verificação e você conseguirá fortalecer sua escrita.

1. Crie conflito e simpatia primeiro.

Seu livro precisa conflito e seu personagem principal deve gerar simpatia desde o início. Precisamos torcer, sentir pena e criar afeto pelo personagem principal e odiar os oponentes. É preciso ter um vilão, uma fonte de conflito ou um problema – alguém que, por algum motivo, faça o protagonista se sentir mal. O protagonista deve duvidar de si mesmo, de forma que através da história possa obter auto-confiança e segurança existencial. Não importa o quão legais são as cenas de ação, se não soubermos para quem devemos torcer, se não sentirmos uma conexão emocional com o resultado, nós não nos importamos. Antes de saber quais personagens são bons e maus, quando todos são estranhos para mim, eu não me importaria se algum deles fosse atingido por um ônibus, o que significa que não estou interessado na sua história. Antes explodir coisas e criar cenas épicas, os leitores precisam conhecer, amar e se importar com seu protagonista.

2. Comece pela ação.

Quase todas as cenas/capítulos precisam começar no meio da ação. Corte todas as cenas de preparação. Corte explicações, plano de fundo, exposição e descrição da cena. Inicie no meio de um diálogo tenso. Comece com uma fala que chame a atenção. Comece com closes, focos e zooms em gotas de sangue, suor e lágrimas. Chame atenção primeiro e, em seguida, desenvolva a história do plano de fundo, preencha os detalhes, desacelere e estabeleça o próximo grande conflito.

3. Personagens críveis não ficam alternando emoções extremas.

Normalmente, as pessoas riem quando estão felizes. Elas ficam sem paciência e sarcásticas quando estão bravas. Mas raramente “choram estericamente”, “gritam incontrolavelmente” ou “tremem visivelmente”. As pessoas geralmente não deixam que suas emoções saiam do controle, especialmente quando estão perto de um grupo grande de pessoas. Além disso, elas não costumam ficar intensamente eufóricas e, logo em seguida, mortalmente deprimidas por qualquer problema. Na verdade, geralmente as pessoas não reagem quando coisas ruins acontecem, elas ficam em choque. A emoções se dissipam e quando têm tempo para processar o que aconteceu, elas sofrem. Então, verifique com que frequência seu personagem principal (ou qualquer personagem) chora, soluça, grita, treme, etc. Experimente retratar reações emocionais intensas de uma forma sutil.

4. Conheça a sua gramática.

São as coisas mais básicas que costumamos errar: Mas/Mais, Mal/Mau, etc. Mesmo que consiga soletrar palavras enormes de trás para frente, você errará as coisas mais simples. Use a função pesquisar/localizar para encontrar esses homófonos um por um e verificar todos eles. Se você percebeu que cometeu outro erro, pesquise por ele, provavelmente você o cometeu mais de uma vez. Além disso, é comum existirem “pedaços ruins” no texto, então se você encontrar um erro, edite novamente esta seção, pois é provável que haja mais erros por ali.

5. Tome cuidado com os advérbios.

Advérbios são malvados. Eles deixam você preguiçoso. Sempre que você expressa algo que alguém fez ou como o fez adicionando um -mente (“disse animadamente”, “saiu decididamente”, “rezou ardentemente”, etc.) você está perdendo a oportunidade de escrever com elegância e indo pelo caminho mais fácil. Muitas destas frases serão insignificantes (como “riu alegremente”), ou confusas. Então, use seu botão pesquisar/localizar e busque pelo termo “mente”. Ele é realmente necessário? Há outra maneira de demonstrar como o personagem fez algo sem usar um advérbio?

“Disse animadamente” = “disse, um sorriso se insinuou nos cantos de sua boca e seu corpo estremeceu, enchendo-se de expectativas”.

“Saiu decididamente” = “e sumiu do quarto, batendo a porta atrás dele”.

Seriamente: pesquise cada um e tente eliminar todos eles.

Correção: Ok, nem todos. Alguns advérbios são aceitáveis. Mas elimine os muito ruins que não têm significado algum. Tome cuidado com essa tendência que faz com que eles sejam usados de maneira ruim, para que quando você decida usá-los, você o faça bem, com o objetivo de aprimorar sua escrita.

6. Use exclamações com moderação.

Agora usar a função localizar/substituir e pesquise “!” e “?!”. Isso está ligado com a alternância exagerada de emoções: a maioria das pessoas não grita ou exclama por qualquer acontecimento inesperado no dia a dia. Isso significa que quase não é necessário usar pontos de exclamação. Percebi que muitos autores independentes tem personagens que dizem coisas como “Como ousa!!!” ou “Você está louco?!?!”. Excesso de pontuação não substitui uma boa escrita. Não só é desnecessário, mas geralmente é usado para mascarar diálogos fracos. Então, pesquisar por “!” pode indicar diálogos medíocres que precisam ser fortalecidos.

7. Faça com que a fala do narrador se encaixe na cena.

A não ser que você esteja escrevendo uma narrativa em primeira pessoa, o narrador deve ser invisível. Quando você usa palavras grandes, estranhas, extravagantes ou incomuns, isso interrompe a ação e chama a atenção para o narrador. Isso geralmente acontece com repetição: li um romance recentemente e percebi que a palavra “comprar” foi usada no sentido de “ganhar força”. Na primeira vez que eu achei um pouco estranho. Na terceira vez, isso tinha realmente tirado minha atenção da narrativa. É normal que você tenha palavras favoritas que gosta de usar, mas quando você decide usar uma palavra sofisticada no lugar de uma comum, ela se destaca. Os personagens podem usá-las em diálogos, mas você não precisa.

Uma ferramenta online bacana que você pode usar para verificar a frequência de todas as palavras que você usou em seu livro é a Textalyzer.net. Basta colar seu texto e verificar as palavras mais utilizadas para ver se você tem algum hábito ruim que deve eliminar.

 

Por Derek Murphy

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: